Quietisme.

Já faz  algum tempo que não escrevo nada pra ti. Não me jugues mal, todas as palavras que não pousaram aqui estavam nos nossos complicados e lindos momentos. A verdade é que já me conheces bem; meus traumas, medos, planos e sonhos. E você de alguma forma se encaixa em tudo que me cerca, que me sonda. Vai me achar uma idiota mas confesso que todas as noites da minha vida eu tinha a infantil cisma de não consegui dormir com os pés descobertos - é pode sorrir, daquela forma boba e tímida que só você sabe fazer em relação as minhas bobagens- eu ficava desconfiada e achava que algo de errado iria acontecer. Estou prestes a completar 18 anos e as minhas criancices bobas ainda me fazem ser ”prevenida” todas as noites, com meu velho cobertor. A diferença é que depois que você voltou, todas as vezes antes de dormir, desejos e planos tomam a minha imaginação, ocupando-a inteiramente. Sonhos ingênuos, em que você simplesmente aparece ao meu lado, com toda sua doçura de sempre. Meu apego é gigantesco e se não soasse tão dramático diria que você salvou minha vida.

Não foi planejado, nem premeditado. Foi só um querer estar perto e cuidar. A vontade e o desejo vieram depois, bem depois. Não foi um lance de corpo, foi um lance de alma. Não foi o jeito de escrever, ou de se vestir. Foi o olhar e uma saudade\urgência daquilo que nunca se teve, mas era como se já tivesse tido antes e fosse inteiramente dependente. Poderíamos ser bons amigos, bons parceiros ou bons inimigos, mas você me parece tão melhor no papel de amor da minha vida. Você é tudo que eu quero hoje e sempre. Se não fosse por você, nunca conheceria o amor. Obrigado por ser a pessoa que me ensinou amar e ser amado.

 Meu bem, tenha convicção de que meu único desejo é entrelaçar meus pés descobertos aos teus. 

Meu anjo protetor.

Amo-te.



Ela não diz “Eu te amo” como uma pessoa normal. Ao invés disso, ela irá rir, balançar a cabeça, dar sorrisos e dizer: “Você é um idiota”. Se ela dizer que você é um idiota, você é um homem de sorte.

Desconhecido. (via reprovador)

(Source: cher-la-vie)



Um coração como poucos. Um coração à moda antiga.

Clarice Lispector. (via reprovador)

(Source: natashapires)



Ok, eu aceito sua amizade, desde que você não beije a boca de mais ninguém…

Matheus, 3º dia sem ela.  (via reprovador)

(Source: lettres-a-paris)



— Ok?
— Ok.

A culpa é das estrelas  (via acribomania)


E eu vou lembrar de você. Sempre. Nos pequenos detalhes e até mesmo quando a nossa musica tocar por acaso, no barzinho que eu estarei. E então eu pedirei um bom vinho, de uma safra sofisticada e vou ficar olhando para a porta do bar esperando você entrar por ela pra me encontrar. Eu vou lembrar sim de todas as brigas. E como vou. Mas também vou lembrar de todas as vezes que a gente fez as pazes, de todas as vezes que nós achamos que poderíamos ir além. Até o infinito. Pareceu mesmo que ia durar. E então a nossa musica vai chegar ao refrão e eu vou lembrar das vezes que você me chamou de amor, de todas as vezes que disse que eu era sua, e de quando prometeu cuidar de mim pra sempre. Ainda com esperanças eu olharei a porta que continuará imóvel. Então me perguntarei, por que você não cumpriu sua promessa de ficar? De fazer valer a pena? Mas se bem que também prometi e fui eu quem desisti disso tudo. A musica e o vinho estarão chegando ao fim, e eu ainda estarei lá, inerte, lembrando do seu sorriso e dos teus olhos verdes… De como nos amávamos, de como nós eramos tudo um pro outro. Nossa musica então vai acabar e eu não pedirei a segunda taça de vinho, simplesmente sairei do bar com a sensação de que eu poderia ter feito mais, e que você também poderia ter feito mais para construir esse ‘nós’ que a gente sempre quis que fosse eterno.

Báh (via acribomania)